Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dias de Outono

E os outros também

Dias de Outono

Acumuladores.

02.05.22 | Maria Soares

 

Hoarders Season 11 Episode 2 Release Date, Watch Online, Spoilers

 

Quando o isolamento fez parar o mundo e desacelerar a vida, todos arranjámos "coisas" para ocupar o tempo. Cada um, a seu gosto; ou para não ceder a pressão de dias sem fim em casa, virou-se para o que o distraia e permitia tornar menos penosa essa prisão.
Gosto de ver vários programas. Bastante diversificados. Alguns pouco apreciados e não seguidos pela maioria, mas que servem de informação sobre o comportamento das pessoas. Ao cúmulo a que se chega, nisto, como noutros casos, quando não há ninguém que os aconselhe; a conviver com eles, que permita impedir e tornar mais sã a existência dos próprios e a alheia.

Watch Hoarders Season 12 Episode 3 | A&E
É incrível ver em que condições algumas pessoas vivem! Por mais tentativas não conseguem viver doutro modo. Quanto mais se destroem e, também aos que estão ao redor, mais insistem em afundar.
Alguns, a certa altura tomam consciência do seu problema gravíssimo e pedem ajuda. Outros não. Além dos que, como noutra dependência qualquer, triunfam nas primeiras horas, mas regridem, deitando tudo a perder.
Aflorei ontem, numa publicação no Blog Narrativas este assunto. Porém, não a deixei visível, por como é hábito poder prestar-se a interpretações dúbias.
Não recomendo que alguém se interesse pelo tema a ponto de ver, do que se trata, conquanto deve ser e servir como um alerta, para quem às vezes está próximo e precisa de ajuda. 
Os programas que vi na altura constavam de uma série americana, num determinado canal, que em vários episódios se debruçava na análise caso, a caso e nos que se envolviam, a nível familiar,  vizinhos, ou amigos, para recuperar as pessoas do seu problema. 
Contudo, como há os que acumulam e a limpeza (cheiro e o verdadeiro atentado à saúde) que constituem não os molesta, existe o problema de quem é viciado em limpar e vive no sofrimento atroz de nunca estar sossegado e certo de viver num ambiente limpo.
É nestas alturas que ficamos gratos pelo equilíbrio. Já diziam os antigos: "nem tanto ao mar..."