Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dias de Outono

E os outros também

Dias de Outono

Baía do Seixal

08.05.22 | Maria Soares

 

 

Publicado originalmente em 11.06.2018 
actualizado hoje

 

 

Tenho lido aqui no Sapo algumas partilhas sobre a Baía do Seixal e os seus arredores. A vista, a história do que se situa ao redor que nunca é de mais conhecer, o belíssimo espelho de água, azul do mar... ou quando na vazante, o seu encanto, também! 

peixeespada.jpg

Dos sabores, tão lusos e tradicionais, que a nossa gente confecciona tão bem!

peixeespada1.jpg

Situem-se agora do outro lado da baía. Ou seja, não virados como aqui, para a Ponta dos Corvos (a que também chamamos Ponta do Mato) e, se pudéssemos andar sobre a água, íamos a pé até lá... cruzando o rio.

E se comer japonês é a "sua onda..." 

Seixal jardim

Este jardim (vista actual) já foi em tempos, tão..., mas tão mais bonito! Tenho-o, quando era, também registado em fotografia que um dia porei aqui para se comparar. 

seixaljardim.jpg

seixalmoinho.jpg

20160828_141423.jpg

 

Vista da Ponta dos Corvos para a Baía do Seixal

Muitas vezes no Outono/Inverno quando está mais sossegado, porque no Verão há muita gente gosto de tomar café no pacato e humilde sítio que aqui há, com o mar todo na frente. Lisboa  ao fundo. A Baía ao lado e, após uma caminhada na mata é refrescante ouvir o marulhar das ondas e descomprimir. 

IMG_20210307_122735.jpg

 Ponta do Corvos

"A Ponta dos Corvos é também uma pequena praia interior situada no  "mar da palha”, no concelho do Seixal. Uma língua de areia da península da Ponta dos Corvos que se estende ao longo de dois quilómetros, sobre o estuário do Tejo."

IMG_20210307_123707.jpg

IMG_20210307_122858.jpg

IMG_20210307_122823.jpg

Moinho Maré

 Corroios

IMG_0012.JPG

Novamente a caminho do Seixal

Quinta da Fidalga 

 

E acreditem que se pode atravessar o rio a pé, na hora certa, mesmo com ele bastante cheio. Um pouco ali, aqui, curvando mais adiante, para prosseguir e chegar. E chega-se! Fazem-no os locais que sabem quando podem e, é seguro. Vi-o com os meus olhos! E acreditem que se pode atravessar o rio a pé, na hora certa, mesmo com ele bastante cheio. Um pouco ali, aqui, curvando mais adiante, para prosseguir e chegar. E chega-se! Fazem-no os locais que sabem quando podem e, é seguro. Vi-o com os meus olhos! 

WP_20160619_14_26_10_Pro.jpg

Esta parte é o lado de cá, aonde se chega vindo do Seixal e curvando na rotunda à direita, prosseguindo até à próxima, aonde se volta a virar à direita. 

WP_20160619_14_32_31_Pro.jpg

Contornando a baía, curvando e estacionando por ali, dá-se um passeio a pé, digere-se o petisco, enchem-se os pulmões de maresia, veem-se os barcos (alguns) parecem pousar sobre o lodo, tão verde que julgaríamos assentar em relva. 

WP_20160619_14_33_07_Pro.jpg

Bastou uma hora e a maré encheu... já se perdeu a oportunidade de "andar sobre a água". Agora, é altura de nos sentarmos a observar árvores e ondulação que dançam, balouçando suavemente ao som de uma melodia audível. Um murmúrio suave que a água calma faz ao desmaiar em "ondas pequeninas" na margem, ou quando beija o paredão que as contêm.

WP_20160619_14_32_16_Pro.jpg

Amora

WP_20160619_14_25_45_Pro.jpg

Daqui a uma semana, ou talvez amanhã à noite, todas as esplanadas, restaurantes e ruas (mais estreitas e tradicionais) estarão a rebentar de gente a celebrar os Santos e a comer a bela Sardinha, acabada de pescar e de grelhar.

Cidade da Amora - Seixal | Page 13 | SkyscraperCity Forum

Coreto

Cidade da Amora - Seixal | Page 13 | SkyscraperCity Forum

 

Nesta margem o que não falta é animação. ‘Pubs’, restaurantes a boa fêvera e o frango no churrasco tomam o ar de assalto, com o seu cheirinho e entre mãos dadas, conversas, risos, beijos, dança, música (nas muitas discotecas, associações marítimas, ou colectividades, que pela beira d' água se estendem) erguer-se-ão copos, em ambiente festivo.

Visitar

Nos arredores

Convento CapuchosCosta Caparica

 

 Por estes lados pode-se estar e comer muito bem em quase toda a parte, oferta não escasseia, segundo a bolsa de cada um.