Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dias de Outono

Precisaria mais do que um Outono, para contar as suas histórias .

Dias de Outono

Precisaria mais do que um Outono, para contar as suas histórias .

Nunca se pede para nascer

16.09.20 | Silêncios

 

Os Desamparados

 

 

Sempre se abandonaram crianças após tê-las. Antigamente a Roda era o lugar "privilegiado" para as deixar. Afinal, se os homens e mulheres de Deus não as protegessem e pugnassem pelo seu futuro, quem o faria?

Concordo! Antes deixá-las à porta de uma igreja, do que atirá-las dentro de um saco para o caixote do lixo, como já tem sucedido. 

Em que altura é mais criminoso abandonar-se uma criança? Quando se tem o intuito de se desfazerem dela, para esconder sei, lá que pecado, que depois aparece em todos os jornais. Ou... será de considerar "crime" alguém abandonar/doar um filho, porque não tem condições de o criar?

Muita coisa se pode discutir aqui, nas entrelinhas. Não o vou fazer. Quero concentrar apenas o meu foco, não na vida da pessoa que abandona. Que pode evoluir normalmente, ou não, sem sentir remorso. Ou, voltar um dia, a querer saber.

Mas na da criança que, sem voto na altura de concepção, pode ser mais um, que passa daí em diante, a sua vida em orfanatos. Sem nunca ser escolhida para adopção (que no nosso país é, como se sabe) vendo outros serem preferidos, a si. Ou, colocada em lares de famílias de acolhimento que, às vezes, só visam o lucro. Outras, menos condições afectuosas e morais, têm de lhe proporcionar um futuro capaz.

Porque há crimes que o são, sem os considerarem como tal; não será aí, sim, um pecado enorme dispor-se da vida inteira de alguém, num momento de leviandade e de prazer fortuito? Não incluo aqui a violação. Isso é um assunto muito mais delicado.

Por outro lado... também há concepções dentro de uma família "estruturada" que, por inúmeros aspectos, pode não ter como prover um bom futuro a um filho. Enfim...

Nunca me comove muito quem abandona. Tenha as razões que tiver, porque tem opção muito antes de não conceber. Importa-me e não me descansa, quem frágil e indefeso, vem a este mundo tão cheio de perigos e, logo à nascença, é privado de todas as hipóteses de normalidade.   

 

 

2 comentários

Comentar post